Decorreu entre os dias 18 e 22 de Novembro o III Congresso da Associação dos Arqueólogos Portugueses (IIICAAP), em mais um evento 
congregador de toda a comunidade arqueológica nacional, depois do sucesso das duas edições anteriores – 2013 e 2017 –, que reuniram largas
centenas de investigadores e produziram dois volumes de Actas.

A edição de 2020 deu continuidade ao modelo de colaboração institucional a nível académico iniciado em 2017 entre a Associação dos Arqueólogos Portugueses (AAP) e a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da  Universidade Nova de Lisboa. Deste modo, o IIICAAP foi organizado em colaboração com a Faculdade de Letras da Universidade do Porto e a Unidade de Investigação CITCEM – Centro de Investigação Transdisciplinar “Cultura, Espaço e Memória”.

O congresso decorreu em moldes adaptados às condicionantes em vigor no contexto da pandemia, nomeadamente através de realização de sessões exclusivamente online na plataforma ZOOM, transmitidas em streaming para os canais do Youtube da AAP e do CITCEM. Esta solução, apesar de não ser a ideal, foi a possível, permitindo a apresentação de comunicações e posters (previamente disponibilizados nos artigos entregues pelos autores) e respectiva discussão em cada sessão temática.

Apesar da difícil situação vivida no 1.º semestre de 2020, em que a comunidade arqueológica teve que adaptar-se às novas condicionantes so ciais, levando a um período de instabilidade profissional e mesmo psicológica, foram en tregues, até Junho, 158 artigos. Dizem respeito a 112 co municações e 46 apresentações em formato poster, correspondendo ao maior número de participações alcançadas nos três congressos. Estes artigos integram o livro de Actas intitulado Arqueologia em Portugal 2020 – Estado da Questão, editado em formato digital com 2138 páginas. Esta publicação, que conta com 351 autores, está já disponível em acesso livre no site da AAP e alojada na página da FLUP-CITCEM, reflecte a intensa actividade arqueológica em curso no país. Os artigos contemplam dados recentes sobre as mais variadas temáticas, sendo de destacar os trabalhos resultantes de investigações académicas (mestrado e doutoramento) – apresentados por jovens arqueólogos –, bem como trabalhos de investigação decorrentes de intervenções preventivas. 

Previamente ao início do IIICAAP, foi enviado por via postal (e tradicional!), para todos os participantes, o Livro de Resumos e Programa do Congresso, possibilitando também o acesso ao volume integral das Actas através de QRCode impresso na publicação. As Actas do congresso ficaram disponíveis em acesso aberto para download imediatamente após a Sessão de Abertura do III CAAP.

O Congresso teve início no dia 18 de Novembro com a Sessão de Abertura efectuada em três formatos: presencialmente, com um número muito restrito de participantes, na sede da AAP no Museu Arqueológico do Carmo; simultaneamente em sessão ZOOM; transmissão directa no canal do Youtube da AAP. Após as intervenções formais de abertura do evento, realizadas por José Morais Arnaud (Presidente da Direcção da AAP), Mário Barroca (Sub-director da FLUP e representante do CITCEM), e Andrea Martins (Membro da Comissão Executiva do III CAAP), deu-se seguimento ao programa definido com a apresentação do n.º 23 da revista Al-Madan impressa, a cargo do seu director, Jorge Raposo (Centro de Arqueologia de Almada).

Nos três dias seguintes – 19, 20 e 21 de Novembro –, tiveram lugar as 158 apresentações, organizadas em nove blocos temáticos que foram distribuídos por duas salas ZOOM, coordenadas, respectivamente, pela equipa AAP e pela equipa do CITCEM, decorrendo em simultâneo, ambas com transmissão em directo no canal Youtube de cada instituição. Os blocos foram organizados por temas e períodos cronológicos, englobando tópicos muito diversos: Bloco 1 – Historiografia e Teoria (nove participações); Bloco 2 – Gestão,
Valorização e Salvaguarda do Património (14 participações); Bloco 3 – Didáctica da Arqueologia (15 participações); Bloco 4 – Arte Rupestre (dez participações); Bloco 5 – Pré–História (22 participações); Bloco 6 – Proto–His tória (15 participações); Bloco 7 – Antiguidade Clássica e Tar dia (25 participações); Bloco 8 – Época Medieval (17 participações) e Bloco 9 – Época Mo derna e Con tem po rânea (31 participações).

A participação efectiva dos comunicantes no IIICAAP foi superior a 90 %, tendo as salas ZOOM uma média de 30 participantes e assistentes por sessão. A transmissão em directo para os canais Youtube da AAP e do CITCEM possibilitou a participação no debate de todos os que assistiam às comunicações e apresentações de poster, ocorrendo uma média de 50 espectadores nos livestreams.

Entre os dias 18 e 25 de Novembro, os dois canais de Youtube alcançaram 6961 visualizações, correspondendo a 1476 horas de visualização dos vídeos que ficaram alojados nestas plataformas. Face a esta substancial adesão e participação da comunidade arqueológica, pode afirmar-se que a solução encontrada para a realização do III CAAP foi um sucesso.

A sessão de encerramento do Congresso decorreu igualmente por ZOOM, na sala disponibilizada pelo CITCEM, tendo contado com a participação de Fernanda Ribeiro (Directora da FLUP), Amélia Polónia (Coordenadora Científica do CITCEM), Mário Barroca (Sub-director FLUP; Membro Comissão Científica do III CAAP) e José Morais Arnaud (Presidente da Direcção da AAP). Para o último dia do congresso, dia 22 de Novembro, estava prevista a Visita de Estudo ao Castro de Monte Mozinho e ao Museu Municipal
de Penafiel, actividade que foi cancelada face ao estado de emergência em que o país se encontrava à data.

Tendo em conta o número de participantes (comunicantes, autores de posters e assistentes), a diversidade temática e sua complexidade, os intensos debates, a publicação imediata dos dados apresentados, conclui-se que a implementação destas reuniões periódicas é uma aposta ganha e que vem ao encontro das necessidades da comunidade arqueológica nacional. Infelizmente, neste congresso de 2020, não pôde ocorrer o contacto directo entre todos os participantes, possibilitando encontros, trocas de ideias, contactos profissionais e, principalmente, momentos de confraternização social. Seguramente, tudo isto será retomado brevemente no IV Congresso da AAP, que retornará ao seu formato presencial mas, muito provavelmente, manterá uma forte componente digital.

A AAP, o CITCEM e a Comissão Executiva do III CAAP gostariam de agradecer a todos os participantes que possibilitaram a concretização desta reunião científica e que connosco aderiram à ideia precursora de um congresso de Arqueologia, desta dimensão, exclusivamente online, não desistindo e mostrando resiliência e confiança na sua realização. Neste novo formato, o III CAAP não terminou no dia 21 de Novembro de 2020, pois todas as sessões estão disponíveis nos canais Youtube da AAP e do CITCEM/FLUP,
possibilitando a visualização integral das intervenções e respectivos debates.

O III CAAP correspondeu, assim, à consolidação da maior reunião científica de Arqueologia realizada em Portugal, reflectindo, quer a pujança e vitalidade da comunidade arqueológica, quer a confiança na organização de um evento deste tipo, destacando-se a sua forte imagem de marca, a publicação imediata e difusão dos resultados.